Tempo de leitura: aproximadamente 4 minutos

          

Você provavelmente gosta do período da Páscoa. Ovos de chocolate fazem, em grande medida, a alegria de crianças e adultos, mas você sabe a origem dessa celebração? Quais os seus significados e símbolos? O texto a seguir tem como objetivo nos contar um pouco sobre o que é a Páscoa e como podemos nos relacionar melhor com essa data tão importante do nosso calendário. 

Primeiramente, devemos entender que a Páscoa é uma das celebrações mais populares e importantes do calendário cristão. Sua origem remonta à tradição judaica de comemorar a libertação do povo hebreu do cativeiro no Egito, porém, à medida que o cristianismo foi ganhando adeptos pela Europa acabou incorporando elementos das culturas pagãs, principalmente dos germânicos. “Páscoa”, não por acaso, é uma palavra derivada do termo hebraico “pessach”, o que significa “passagem”. Mas a que passagem os antigos hebreus se referiam?

Segundo a tradição judaica, a primeira Páscoa foi celebrada no contexto do cativeiro do Egito, em que os hebreus teriam cumprido rituais determinados por Deus para proteger suas crianças de uma das pragas lançadas sobre o povo egípcio. Após esse evento o povo hebreu foi liberto e assim pôde continuar sua jornada. Por isso chama-se de “passagem”, porém, para além do seu contexto histórico, a Páscoa celebra, agora para os cristãos, um outro momento de transição: a morte e a ressurreição de Cristo.

A Bíblia nos apresenta a narrativa da crucificação de Jesus na conhecida “sexta-feira da paixão” (ou sexta-feira Santa), em que Cristo, após carregar sua cruz por alguns quilômetros e ter sido torturado, foi pregado nela e morto. Após três dias, entretanto, seu corpo havia desaparecido da cripta e este apareceu para seus discípulos, mostrando assim ser filho de Deus e salvador da Humanidade. A nível simbólico, a passagem de Jesus Cristo morrendo e ascendendo aos céus representa a morte da vida material e o nascimento para a Vida Espiritual. De maneira profunda, a Páscoa representa essa transição. 

Se refletirmos um pouco mais acerca dessa ideia perceberemos que as festividades e momentos anteriores à Páscoa são, na verdade, uma preparação para essa mudança. Temos o carnaval, por exemplo, que significa a “despedida da carne”, em que festeja-se o exagero e a vida mundana. Logo em seguida inicia-se, pelo calendário católico, a quaresma, um momento de purificação de quarenta dias se abstendo dos prazeres para, enfim, a chegada da Páscoa. Se compreendermos essa ideia, a celebração passa a ter um significado profundo em nosso cotidiano, mesmo que não sejamos adeptos da religião cristã. Podemos nos conectar com o seu sentido primordial, que nos fala não somente de um profeta, mas de uma possibilidade humana de abrir mão de seus desejos e buscar sua melhor parte, de fazer nascer as Virtudes, que anseiam por se expressarem em nossas ações. 

Não por acaso, de igual modo, a data escolhida para celebrar essa passagem está ligada aos Ciclos da Natureza. No hemisfério norte, na qual baseou-se a festividade, comemora-se um pouco antes da Páscoa o Equinócio de Primavera, ou seja, o início da estação do ano em que, vejam só, simboliza o Renascimento. Após um longo inverno, as sementes voltam a florescer, dando vida às paisagens geladas do norte e fazendo viver, mais uma vez, toda diversidade contida na Natureza. Reforça-se, desse modo, o símbolo que a Páscoa carrega: o florescimento da Vida Espiritual ante a matéria. 

Entretanto, não somente a cultura judaico-cristã celebra esse momento da Natureza. Os antigos povos Celtas e Germânicos também comemoravam, à sua maneira, esse período de Renovação da Vida. Seus cultos voltavam-se para as deusas “Eostern” ou “Ostara”, ambas simbolizavam a fertilidade, o renascimento e a vida para a religião “pagã”. Em seus festivais no continente europeu, tinham por hábito decorar os ovos com outras cores, costume esse que foi assimilado pela nossa cultura a partir dos conhecidos “Ovos de Páscoa”.

Em todas as tradições, em maior ou menor grau, esse período do ano é considerado “Sagrado” e repleto de celebrações, uma vez que marca uma mudança do ano e, de certo modo, uma possibilidade de mudança dentro de nós. A interpretação desse momento da Natureza é de que devemos dedicar uma atenção especial ao Renascimento, a Ressurreição de nós mesmos. É a oportunidade de “deixar morrer” o peso que carregamos em forma de sofrimentos ou o que nos faz sofrer. É um momento de renovar-se para continuar trilhando nosso caminho de ascensão rumo ao que há de mais Divino em nós. 

Desse modo, o que chamamos de Páscoa é, de maneira pura, uma época na qual a Humanidade pode buscar uma nova Vida, deixando morrer tudo que a prende à matéria e fazendo nascer suas asas, que as levarão aos céus. Acreditamos que devemos elevar ao máximo o nosso EU interior, nos desvencilhando de tudo o que nos torna dependentes e limitados, porém de uma maneira pura, inteligente e digna, para alcançarmos a nossa melhor versão. A Páscoa pode, e deve, ser uma inspiração para todos nós neste propósito.

 Não percamos as oportunidades de nascer e renascer no Amor, a única e verdadeira força capaz de unir e modificar os homens, transformando cada um de nós a partir de cada pequeno ato que praticamos. Que a Páscoa seja, no fim, um acontecimento corriqueiro em nossas vidas. Que ela se manifeste a cada dia, e que possamos renascer sempre através dos ensinamentos dos seus símbolos.

Feliz páscoa! Um feliz Renascimento para todos nós, sempre.

Pesquise sem sair da publicação

Artigos mês
abril 2024
STQQSSD
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930 
Siga o nosso instagram

Compartilhe com quem você quer o bem

Talvez você goste também

Deixe um comentário e faça parte da conversa!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Ouças nossa playlist enquanto navega pelo site.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, de acordo com a nossa Política de privacidade . Ao continuar navegando, você concorda com o uso de cookies.