Nova logo Portal Feedobem

O Mito de Eros e Psiquê

Tempo de leitura: aproximadamente 4 minutos
Quadro de: Anthony Van Dyck

Conta o mito que Psiquê era uma jovem princesa tão bela e encantadora, que todos passavam a admirá-la. Quanto mais ela crescia, mais bela se tornava, e mais ainda todos se admiravam, de tal modo que os homens e mulheres foram esquecendo de cultuar os templos de Afrodite, deusa da beleza, para admirar a beleza de Psiquê. Afrodite, preocupada com os homens que começavam a trocar a deusa por uma mortal, pede ao seu filho, o deus Eros (o Cupido, dos romanos), que lance uma flecha em Psiquê para que ela se apaixone por um terrível monstro, desse modo, os homens retomariam a consciência. No entanto, quando Eros se aproxima de Psiquê, se atordoa ao ver tamanha beleza, e acaba ferindo a si mesmo com a flecha.

Quadro de: Jean François Lagrenee

A solução que Eros encontra para não desapontar sua mãe e viver com a princesa, por quem estava perdidamente apaixonado, é de manter Psiquê como sua esposa em um castelo, sozinha. Porém, ela estava proibida de ver a face de seu marido, para que não descobrisse a verdadeira identidade do deus. Então, eles só se encontravam à noite para ficarem juntos. Sem aguentar de curiosidade, Psiquê aproxima-se do rosto de Eros com uma vela para enxergá-lo melhor, e fica assombrada com tamanha beleza e amor em seu rosto, de tal modo que esquece a vela e queima seu esposo. Assustado, o deus do Amor foge e deixa Psiquê só.

Psyché adentra timidamente ao jardim do palácio de Eros, por John William Waterhouse

Psiquê, que não consegue mais viver sem Eros, vagueia a sua procura e implora a Afrodite que a ajude a encontrá-lo novamente. Afrodite impõe a condição de que Psiquê deveria passar vitoriosa sobre quatro duras provas para ter o mérito de sua ajuda. A primeira das provas era de separar todos os grãos amontoados de trigo, cevada, milho, ervilha, feijão e lentilhas em montes diferentes da mesma espécie até o anoitecer. A segunda prova era retirar a lã de ouro de ovelhas selvagens sem pastor. A terceira prova era recolher um pouco de água da fonte do rio Estige, o rio da travessia dos mortos, e por fim, a quarta prova era de ir até o Hades, o mundo dos mortos, e recolher uma caixa com a deusa Perséfone. Como é comum nos mitos, após muito esforço Psiquê consegue superar as provas, porém, ao final da quarta prova, ela não resiste. E quando estava prestes a perecer no Hades, ela é socorrida por Eros, que a leva até o Olimpo, a morada dos deuses. Lá, Zeus a torna imortal, para que o casal não precise mais se separar.

Esse mito, de forma bastante resumida aqui, relata a saga humana. Psiquê representa nós mesmos, o ser humano, e Eros representa o espiritual, o divino, também representado pela ideia do Amor. Psiquê em determinado momento consegue enxergar o rosto de Eros e se assombra com tamanha beleza. O mesmo pode acontecer conosco. Em algum momento, o ser humano pode se deparar face ao Divino, com o que há de mais espiritual em determinada experiência. Algo tão belo, tão profundo, que pode nos surpreender e gerar esse mesmo assombro que acometeu Psiquê. E por não saber lidar com isso, às vezes a experiência escapa de nossas mãos. Para poder retomá-la não é simples…”Não há mérito sem luta”, como dizia Helena Blavatsky.

Assim como Psiquê tem que enfrentar provas para merecer a ajuda de Afrodite, o ser humano deve enfrentar a si mesmo para conseguir alcançar este patamar mais elevado, este patamar espiritual, dos deuses. Precisamos desenvolver discernimento, como a prova de Psiquê de separar os grãos; paciência, tal qual a prova da lã dos carneiros selvagens; coragem e bravura para adentrar no mais profundo de nós mesmos, o nosso Hades, e assim, saírmos de lá limpos, aptos para enxergar e compreender melhor o mundo e o divino. Aí sim Eros se reaproxima, aí sim alcançaremos a condição de viver junto aos deuses, alcançaremos nossa Alma Humana, nos tornaremos imortais. Precisamos viver o mito e aprender a enxergar cada desafio de nossa vida, como uma prova aplicada pelos deuses, para que possamos alcançar este Olimpo, este elevado estado de consciência que já existe dentro de nós.

Compartilhe com quem você quer o bem

MENU

Siga nossas redes sociais

Ouças nossa playlist enquanto navega pelo site.

Este site utiliza cookies para melhorar sua experiência, de acordo com a nossa Política de privacidade . Ao continuar navegando, você concorda com o uso de cookies.